Corredor Viajante – Eduardo Parente – Maratona do Rio

Prova: Maratona do Rio 2010, por Eduardo Parente

Relato enviado em 02 de agosto de 2010

Moro no Ceará, em Fortaleza, e fui para a Maratona do Rio realizar um sonho de 5 anos.

Estou realmente muito feliz, a capacidade da mente dominar o corpo foi comprovada.

Correr não é só subtrair calorias, tão pouco somar mais uma medalha, correr nos faz transcender o LIMIAR dos nossos princípios… mesmo não tendo características individualistas, egocêntricas ou egoístas, durante uma corrida longa você se vê necessariamente o próprio, paradoxalmente isso lhe faz um bem danado, VOCÊ, SEU CORPO E principalmente SUA MENTE. Completar uma Maratona é auto conhecer-se, é auto dominar-se, é ter uma overdose de sentimentos.

Preparação, horas de treinos, renúncias, muito suor, fisioterapia, massagens, investimentos diversos para um só objetivo: cruzar a linha de chegada. Para quê? Aí caro amigo, você tem que fazer pra entender, sentir, se arrepiar, para se emocionar ao ver sua mulher na linha de chegada tirando uma foto sua que não deu certo por que saiu tremida de tanta emoção… Correr uma Maratona para massagear o ego e concomitante estraçalhar as pernas… Ou correr uma Maratona (a do Rio) simplesmente para ouvir nos 18 primeiros quilômetros, o som das ondas nas primeiras horas do dia e nos túneis os ecos dos gritos de alguns corredores abarrotados de endorfina (inclusive eu)… Correr uma Maratona para conhecer pessoas de todo o mundo, níveis (intelectuais, econômicos ou estéticos) e suas estórias de desafios e superações… Correr uma Maratona para desfrutar da democracia plena entre as pessoas, da vibração dos espectadores e mais ainda do seu coração.

Obrigado aos que acreditaram que eu seria capaz…

Desculpe aos que fiz raiva por não ter vivenciado alguns momentos, pois tinha que treinar…

e aos que pretendem um dia realizar esse sonho: VALEU MUITO A PENA!!!

A foto tremida de emoção na chegada

Deixe um comentário